Técnicas de cultivo

:arrow: Um resumo de técnicas de cultivo de cogumelos

Técnicas para cultivo de cogumelos, sejam quais forem as espécies, seguem o mesmo padrão básico. Considerando que duas espécies podem diferir em requerimentos de temperatura, preferências de pH ou o substrato em que crescem, as etapas para frutificar são essencialmente as mesmas. Elas podem ser resumidas como segue:

  1. Preparação e derramamento de meio de ágar em placas de Petri.
  2. Germinação dos esporos e isolamento do micélio puro do cogumelo.
  3. Expansão da massa micelial em meio de ágar.
  4. Preparação do meio de grãos.
  5. Inoculação do meio de grãos com micélio puro cultivado em meio de ágar.
  6. Incubação do meio de grãos inoculado. (spawn)
  7. A. Colocação do spawn de grãos em bandejas, ou
    B. Inoculação de spawn de grãos em substratos bulk.
  8. Casing – cobertura do substrato com uma mistura úmida de turfa e outros materiais
  9. Iniciação – redução de temperatura, aumentando a umidade para 95%, aumentando a circulação de ar,
  10. Diminuição do gás carbônico e/ou introduzindo luz.
  11. Colheita– Mantendo a temperatura, baixando a umidade para 85-92%, mantendo a circulação de ar,
  12. e níveis de gás carbônico e /ou níveis de luz.

Em muitas espécies as colheitas podem ser produzidas em culturas de grãos em casing. Ou, o cultivador pode dar mais um passo e inocular compostos, palha ou madeira. Em ambos os casos, a frutificação dos cogumelos requer um ambiente com alta umidade que pode ser realmente controlado. Sem a devida mistura, os cogumelos não crescem.

Nos capítulos subsequentes, métodos padrões para germinar esporos são discutidos, seguidos por técnicas para desenvolver micélio em ágar, produzindo grãos e /ou spawn, preparando substratos compostos e não-compostos, desenvolvimento do inóculo, casing e formação de pins. Com este último passo os métodos de frutificação de espécies variadas diferem e técnicas específicas para cada cogumelo são individualmente delineadas. Um guia de resolução de problemas ajuda cultivadores a identificar e solucionar problemas que são comumente encontrados. Isso é seguido por uma análise aprofundada dos contaminantes e das pestes de culturas de cogumelos e um capítulo explicando a natureza da genética dos cogumelos. Em tudo, o livro é um sistema de conhecimento que integra as técnicas variadas desenvolvidas por cultivadores comerciais do mundo todo e faz o cultivo de cogumelos em casa um esforço prático.
Cogumelos e cultura de cogumelos

Cogumelos inspiram quem os encontra. Eles parecem diferentes. Nem como plantas nem como animais, cogumelos tem uma textura, aparência e maneira de crescimento somente deles. Cogumelos representam um pequeno galho na evolução do reino fúngico Eumycota e são comumente conhecidos como os “fungos carnudos”. De fato, fungos são organismos não-fotossintéticos que evoluíram de algas. O papel principal dos fungos no ecossistema é a decomposição, um organismo em uma sucessão de micróbios que decompõem matéria orgânica. E, apesar de dezenas de fungos serem conhecidos, cogumelos constituem apenas uma pequena fração, em relação às milhares de espécies.

Independentemente das espécies, muitos passos são universais para o cultivo de todos os cogumelos. Não surpreendente, esses passos iniciais refletem diretamente no ciclo de vida do cogumelo. O papel do cultivador é isolar uma espécie particular de cogumelo do mundo competitivo natural e implantá-lo em um ambiente que fornece para ele uma distinta vantagem de competição. Os três passos essenciais no cultivo de cogumelos são paralelos aos três passos em seu ciclo de vida.

Eles são:

  1. Coleta de esporos, germinação de esporos e isolamento de micélio, ou clonagem de tecidos.
  2. Preparação do inoculo pela expansão da massa do micélio em meio de ágar enriquecido e após em grãos. A implantação de spawn de grãos em substratos compostos e não-compostos ou uso do grão como substrato de frutificação.
  3. Iniciação e desenvolvimento do corpo de frutificação (cogumelo).

Tendo um conhecimento básico do ciclo de vida dos cogumelos aumenta consideravelmente o aprendizado das técnicas essenciais para o cultivo.

Cogumelos são frutos da “planta” do cogumelo, o micélio. O micélio é uma vasta rede de células interconectadas que permeia o solo e vive perenamente. Esse micélio residente somente produz corpos de frutificação, que são comumente chamados cogumelos, sob ótimas condições de temperatura, umidade e nutrição. Para a maior parte, o micélio “pai” tem apenas um recurso para assegurar a sobrevivência da espécie: produzir um número enorme de esporos. Isso é realizado através da geração de cogumelos.

No ciclo de vida dos cogumelos, o corpo de frutificação ocorre brevemente. A rede micelial pode ficar dormente por meses, algumas vezes anos e só pode produzir um simples fluxo de cogumelos. Durante essas poucas semanas de frutificação, o micélio está em um estado frenético de crescimento, acúmulo de nutrientes e formação de bolas densas de massa chamadas primórdias que eventualmente se transformam na estrutura de torre do cogumelo. As lamelas se desenvolvem primeiramente a partir do tecido abaixo do píleo, aparecendo como dobras, então se tornam sulcos fechados e eventualmente em placas alinhadas verticalmente como em apartamentos. Esse arranjo simétrico eficiente de lamelas são preenchidas com células produtoras de esporos chamadas basídios.

De um ponto de vista estrutural, o cogumelo é um corpo de reprodução eficiente. O píleo funciona como uma cúpula protegendo as lamelas no inferior dos danos da chuva, vento e sol. Abrangendo as lamelas, em muitas espécies, há uma camada bem desenvolvida de tecido chamada véu parcial que se extende do píleo até a margem do estipe. Os esporos começam a cair das lamelas logo que o véu parcial se rompe. Depois que o véu parcial cai, os esporos são projetados das lamelas em um número cada vez maior.